Deputado critica alta de preços em vídeo e tem a postagem mais compartilhada da semana no Facebook

Alexandre Bazzan, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 00h32
Atualizado 05 de setembro de 2020 | 13h04

Nesta sexta-feira, 4, Jair Bolsonaro pediu aos donos de supermercado mais patriotismo para evitar inflação dos alimentos. O presidente disse que não vai mudar nada na canetada, mas mostrou preocupação com os aumentos. Dois dias antes, o deputado estadual de Minas Cleitinho Azevedo (Cidadania-MG) fez um vídeo comparando preços antes e depois da pandemia. O vídeo foi a publicação com mais interações na quarta-feira, 2, e a mais compartilhada do Facebook na semana de acordo com o CrowdTangle, a ferramenta de Insigths da rede social.

O que está acontecendo no Brasil? Arroz R$25,00 Óleo R$6,00 Leite R$4,00 Qual a justificativa desses valores agora durante a pandemia? Estão roubando na cara dura! Publicado por Cleitinho Azevedo em Quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Leia Também

Nova campanha do Governo diz que nazismo e comunismo foram ‘maior mal do mundo’

Nova campanha do Governo diz que nazismo e comunismo foram ‘maior mal do mundo’

Foram 990 mil compartilhamentos, mais de 236 mil interações e quase 59 mil comentários. O deputado ganhou mais de 50 mil novos seguidores desde quarta-feira. No saldo da semana, o post teve mais compartilhamentos do que o vídeo viral do deputado André Janones (Avante-MG) sobre o auxílio emergencial, o dia do fico de Messi na conta oficial do Barcelona, a live semanal de Bolsonaro e a homenagem dos Estúdios Marvel a Chadwick Boseman. Usando uma camisa do América-MG e máscara ao entrar no supermercado, Cleitinho fala em tom exaltado. “Se a gente não gritar agora, daqui a a pouco vai ter arroz de R$ 40, daqui a pouco vai ter feijão de R$ 30”, diz ele na gravação. Itens como arroz e óleo chegavam a custar o dobro do valor cobrado em março no vídeo do parlamentar.  

O economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) e coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Braz, selecionou sete produtos básicos e verificou que, em 12 meses até agosto, esses produtos subiram, em média, 28,9% no atacado e 23,8% no varejo.

Cleitinho diz que era músico e que começou a sofrer boicotes por criticar políticos. A escassez de trabalho na música fez com que ele entrasse para a política a pedido de moradores de Divinópolis, sua cidade natal, e ele acabou escolhendo o Cidadania por ter um amigo no partido. Ele conseguiu se eleger vereador e dois anos depois voltou a se arriscar em uma eleição, dessa vez para conquistar uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O deputado ganhou notoriedade local ao pedir, sem sucesso, para a Alemg instalar um chuveiro em seu gabinete. “Eu não queria morar na Assembleia, era só dormir porque só tem sessão de terça, quarta e quinta”, explica. Cleitinho afirma que dispensou o auxílio moradia e paga um apartamento com o salário que ganha como deputado.

Eleições municipais de 2020

Com a fama na região de Divinópolis, não demorou para que chegassem os pedidos de apoio. Mais do que isso, candidatos a prefeito da cidade convidaram o irmão de Cleitinho, Gleidson Azevedo, para ser pré-candidato a vice. “Eu não acho que deva existir vice, para mim vice deveria ser um secretário, então eu falei para o meu irmão: “Se você quiser entrar para a política, sai como prefeito que eu te apoio”.

O Cidadania, no entanto, já tem candidato próprio para a prefeitura de Divinópolis, o deputado federal Fabiano Tolentino, que já se afastou do cargo para a campanha. Gleidson foi obrigado, então, a se filiar ao PSC. Sem querer, Cleitinho colocou o irmão na vida política em novembro de 2019 com uma brincadeira feita sobre as denúncias que recebe dos eleitores. “Podem continuar mandando denúncias, que vou rodar o estado inteiro, estou aqui pra isso! Sou empregado do povo e se precisar, eu me multiplico”, escreveu ele na legenda de uma foto com Gleidson publicada no Facebook. Resta saber se Gleidson vai conseguir espelhar o sucesso do irmão.

SE PRECISAR EU ME MULTIPLICO! Podem continuar mandando denúncias, que vou rodar o estado inteiro, estou aqui pra isso! Sou empregado do povo e se precisar, eu me multiplico. #empregadodopovo #tamojunto Publicado por Cleitinho Azevedo em  Sábado, 2 de novembro de 2019

Notícias relacionadas
  • Nova campanha do Governo diz que nazismo e comunismo foram ‘maior mal do mundo’
  • Juíza atende Flávio Bolsonaro e proíbe exibição de documentos do caso das ‘rachadinhas’ na Globo
  • José Pires do Rio: o prefeito que mandou construir o Mercadão de SP
Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonaroalimentoinflaçãosupermercadoepidemia

Continuar lendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Destaques em Política

  • STF, Rio e Bolsonaros

  • Em pronunciamento no 7 de Setembro, Bolsonaro diz defender democracia, mas celebra golpe de 64

    Em pronunciamento no 7 de Setembro, Bolsonaro diz defender democracia, mas celebra golpe de 64

  • CNJ desiste de obrigar servidor 'imunizado' a atender desembargador em casa durante home office

    CNJ desiste de obrigar servidor ‘imunizado’ a atender desembargador em casa durante home office

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Assine o Estadão Já sou Assinante

Tendências:

  • Mais de um terço das emendas dos vereadores de SP paga eventos e torneios
  • MPF nega pedido de Flávio Bolsonaro para mudar data de acareação, diz TV
  • ‘Cidadãos’ e servidores registram mais de 70 mil novas armas em 2020
  • É falso que projeto de lei preveja prisão para quem se recusar a tomar vacina contra a covid-19
  • Calendário Estadão: os principais eventos das disputas municipais no Brasil e presidencial nos EUA
Leitores On Line