Delivery tem sido a salvação de muitos produtores


Venda direta ao consumidor virou a principal fonte de renda em muitos sítios. Delivery tem sido a salvação de muitos produtores

Aline e Wellington Pierini trabalham há mais de 10 anos com produção de alimentos orgânicos e nunca viram uma fase de demanda tão aquecida.
O casal tem um sítio no município de Urupês (SP). São 16 hectares de área plantada. A maior parte é destinada à horticultura. Os agricultores dizem que a procura por orgânicos aumentou bastante desde o início da pandemia.
Cerca de 60% da produção vai para a capital paulista. Uma parte do que ficava na região era destinada a contratos de merenda escolar e a outra para a loja de orgânicos da família.
Como as escolas estão fechadas e o fornecimento foi interrompido, tudo está sendo vendido diretamente para o cliente que passou a gastar sem sair de casa. Nos últimos meses, 90% das compras têm sido por telefone, dentro do conhecido delivery.
(Vídeo: veja a reportagem exibida no programa em 12/07/2020)
Delivery tem sido a salvação de muitos produtores
Wellington diz que aumentou a procura de tudo, incluindo folhas, raízes e legumes. As encomendas são separadas e os kits montados do jeito que o cliente pede. O telefone toca o dia todo.
Alguns consumidores ainda vão até a loja para buscar as sacolas, mas a maior demanda tem sido pelo delivery: uma média de 50 entregas por dia. Os clientes costumam ser fiéis e fazem compras toda semana.
Thiago Nasser tem uma plantação de orgânicos no município de Neves Paulista (SP). Ele também precisou se adequar para atender à demanda. O perfil das vendas mudou bastante nos últimos meses.
Ele conta que as entregas para restaurantes pararam e que hoje o delivery é a principal fonte de renda da família, o equivalente a 90%.
Na roça, os canteiros têm recebido sementes de acordo com a preferência dos novos fregueses.

Com Agências