Defensora pública alerta sobre riscos de transferir pacientes com Covid-19 em hospitais de campanha

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro se posicionou contrariamente ao esvaziamento dos hospitais de campanha do Maracanã e São Gonçalo, realizado ao longo do fim de semana, com a transferência dos pacientes para outras unidades hospitalares.

O esvaziamento foi feito mesmo após decisão judicial contrária, tomada a partir de ação conjunta da Defensoria e Ministério Público. Coordenadora de Saúde e Tutela Coletiva da Defensoria, Thaisa Guerreiro afirma que houve descumprimento da decisão judicial.

Thaisa lembra que o estado tem carência de leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) no momento.

A defensora afirma que qualquer dano à saúde dos pacientes que tenha sido provocado pela transferência deve ser comunicado à defensoria.

A Secretaria Estadual de Saúde afirmou em nota que foi notificada da decisão judicial somente no sábado, e que os hospitais de campanha do Maracanã e de São Gonçalo no momento não têm pacientes. A secretaria garante que as unidades não foram desativadas e estão sob administração da Fundação Saúde, e em condições de receber pacientes, se necessário, como apoio e contingência aos leitos regulares da rede hospitalar.

A secretaria acrescenta que os pacientes foram transferidos de forma preventiva para unidades bem aparelhadas e dotadas de leitos especialmente preparados para atender pacientes de Covid-19, uma vez que o Iabas notificou sua decisão de interromper o funcionamento dos hospitais de campanha a partir de sábado.

Com Agências