símbolo da justiça

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}
shutterstock

Apenas 2% de processos relacionados à Covid-19 foram encaminhados para Varas de Trabalho


De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), 14 mil brasileiros enfrentaram irregularidades trabalhistas e entraram na Justiça do Trabalho contra empresas devido à pandemia do novo coronavírus
. Foram 14.286 ações nas Varas de Trabalho relacionadas à Covid-19
até o mês de julho.

Leia também

  • Auxílio emergencial: mutirão da Justiça libera quase metade dos pedidos negados
  • Procon-SP aplicou R$ 28,5 milhões em multas por preços abusivos
  • Crise da pandemia: 242 mil empresas demitiram em julho


O aumento do número de processos
foi maior nos meses de abril e maio que, respectivamente, somam 2.559 e 4.260 casos. Mesmo assim, isso representa 2% do total de ações, que somam 851.302, reportadas às Varas de Trabalho.

Entre os principais motivos, estão o pedido de liberação do FGTS
e aviso prévio, além de medo de as empresas irem à falência e condições de trabalho em meio à pandemia.

No entanto, pedidos de doença aumentaram 331%. Desse número, 66,5% está relacionado à Covid-19.

No entanto, houve diminuição nos meses de junho e julho de aproximadamente 43%.

Os estados campeões em números de ações trabalhistas
relacionados à Covid-19 são Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O que pode explicar isto é o fato de que existem muitos frigoríficos nos estados, setor que foi impactado pela contaminação
. Estima-se que metade dos trabalhadores desses estados operam em frigoríficos.

    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘loading‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}