Coronavírus no frango de SC na China: informação surpreende setor de carnes e ministério busca detalhes

Setor de carnes no Brasil ficou preocupado com informação divulgada na China
Setor de carnes no Brasil ficou preocupado com informação divulgada na China (Foto: Tiago Ghizoni/NSC Total)

A informação de que o coronavírus foi encontrado na China em uma embalagem de frango originária de Santa Catarina mobiliza o setor de carnes e o governo federal. O Ministério da Agricultura (MAPA) deve emitir um posicionamento nas próximas horas. Nos bastidores, a divulgação da prefeitura de Shenzen ainda é vista com cautela por conta do controle rígido dos produtos exportados.

Uma das contestações é o tempo que leva para a carne chegar até o continente asiático. São 40 dias de viagem até o destino. Por isso a informação preocupa ainda os empresários e autoridades envolvidas com a venda de carnes no Brasil. A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) também acompanha o caso e busca mais detalhes.

Nova norma do Ministério da Agricultura coloca em risco o diferencial sanitário de Santa Catarina
AGRONEGÓCIO

No comunicado divulgado pelas autoridades de Shenzen há o número do SIF 601, referente a uma planta da Aurora Alimentos em Xaxim, no Oeste de Santa Catarina. Inicialmente a informação é de que o coronavírus estava na carne, mas representantes do setor também trabalham com a possibilidade de que a amostra estivesse na embalagem. As pessoas que tiveram contato com o produto foram testadas e o resultaod deu negativo.

A apreensão no setor de carnes é grande por conta de possíveis reações do mercado chinês aos produtos vendidos pelo Brasil. No entanto, até o momento a China não trouxe mais detalhes sobre a amostra identificada e nem um posicionamento oficial.

Em nota, a ABPA afirmou nesta quinta-feira que está analisando as informações: “Ainda não está claro em que momento houve a eventual contaminação da embalagem, e se ocorreu durante o processo de transporte de exportação. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil está em contato para esclarecimentos com o GACC (autoridade sanitária oficial da China), que fará a análise final da situação”.

A ABPA diz que não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus, conforme ressaltam a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

O que diz o MAPA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou em nota que ainda na quarta-feira (12) começou a buscar informações oficiais “que esclareçam as circunstâncias da suposta contaminação”. Até o momento, o MAPA não foi notificado oficialmente pelas autoridades chinesas sobre a ocorrência: “O MAPA reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob SIF, visto que obedecem protocolos rígidos para garantir a saúde pública”.

O que diz a secretaria

Também em nota, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural “reforça a confiança na credibilidade e qualidade dos alimentos produzidos em Santa Catarina” O Estado ainda analisa as informações divulgadas por autoridades municipais de Shenzen, na China, sobre uma possível detecção de traços de vírus em uma embalagem de produto brasileiro.

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line