Com PSL pressionado por Russomanno, Joice Hasselman corre para registrar candidatura em SP

Diante da pressão para retirada de sua candidatura pelo pré-candidato Celso Russomano (Republicanos), a deputada Joice Hasselman (PSL-SP) decidiu correr contra o tempo e foi nesta terça-feira a primeira a apresentar o seu pedido de registro de candidatura à prefeitura de São Paulo na Juistiça eleitoral.

A um dia do prazo das convenções partidárias, o Republicanos tenta sua última cartada: costurar uma aliança para Russomano. O partido ligado à Igreja Universal passou os últimos dias negociando um acordo para ter o PSL como vice. Aliados de Russomanno ainda tentam convencer o alto escalão do ex-partido de Jair Bolsonaro a recuar do nome da deputada.

O PSL de São Paulo resistiu aos avanços, diz que a campanha de Joice está sendo tocada normalmente e trata um eventual recuo como “desmoralizante”.

Russomanno se encontrou com Bolsonaro diversas vezes nas últimas duas semanas. Presidente do Republicanos, Marcos Pereira intensificou os telefones nas últimas semanas para o deputado Júnior Bozzella, presidente estadual da sigla. O deputado estadual Altair Moraes, do Republicanos, estaria participando da negociação.

Seu partido é base do governo Doria na Alesp, mas estaria disposto a romper e migrar para o lado de Bolsonaro. Major Mecca é o cotado pela ala bolsonarista do PSL para a vice de Russomanno. Além de desafeto de Doria, ele representa a classe policial.

A estratégia de emplacar um vice do PSL ao candidato do Republicanos traria benefícios a Bolsonaro em três frentes: tirar o Republicanos da base de João Doria na Alesp, emplacar uma candidatura competitiva na eleição de SP e fortalecer Marcos Pereira para substituir Rodrigo Maia na presidência da Câmara.Próximo aos filhos de Bolsonaro, o vice-presidente do PSL, Antônio Rueda, estaria por trás dessa articulação.

Antes de assediar o PSL, Russomanno tentou várias articulações (com PSDB, MDB e até o PTB) porque sempre considerou importante a questão do tempo de TV. No entanto, nenhuma das empreitadas deu certo, e ele pode acabar numa chapa pura de forma isolada. A única opção então seria o apoio de Bolsonaro.

Leitores On Line