CNMP pune com advertência procurador que chamou Bolsonaro de ‘canalha’

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) decidiu nesta 3ª feira (8.set.2020), por 10 votos a 1, aplicar a pena de advertência ao procurador da República Wilson Rocha por causa de publicações nas redes sociais em que chama o presidente Jair Bolsonaro de “canalha“.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px
7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360


 

O relator, Luiz Fernando Bandeira de Mello, afirmou em seu voto que os procuradores devem “moderar” o discurso em redes sociais. A área técnica do CNMP recomendava que ele fosse punido com censura (ficar 1 ano sem ser promovido). Mas o relator considerou que as postagens não foram tão graves, e votou pela aplicação de advertência (uma anotação na ficha funcional). Foi acompanhado pela maioria.

O que importa ao Conselho Nacional do Ministério Público é deixar clara a mensagem de que os membros do Ministério Público têm sim plena liberdade de expressão, porém quando o fazem em redes sociais, eles devem moderar esse discurso ou modulá-lo de forma que restrinja a uma manifestação cidadã, e não uma ofensa às autoridades constituídas e é disso que se trata esta ação”, afirmou Bandeira.

O fato que foi de redação do representado, que foi relatado aqui, deu-se quando o presidente da República declarou, pelo Twitter, que comunicaria, se o presidente da OAB quisesse, como o pai dele morreu na época da ditadura. O pai de Felipe Santa Cruz, Fernando Santa Cruz, faleceu quando ele tinha 3 anos. Nesse dia, à noite, depois de tal fato ser comentado inclusive pela TV Globo, pela imprensa dos mais variados, pelo rádio, houve uma indignação geral no país“, declarou a defesa de Wilson Rocha.

As publicações

Pelo Twitter, Rocha escreveu em 27 de julho de 2019: “Bolsonaro é o canalha de quem os canalhas gostam. Como já não há mistério sobre esse politico, seus admiradores são seu espelho e sua força social. Ou seja, são uma geração, independente da idade, de péssimos brasileiros que arruinaram seu próprio país”.

Dois dias depois, declarou: “A indignidade do presidente já é de conhecimento publico. Resta-nos lembrar a indignidade dos que o apoiam, especialmente o alto oficialato das Forças Armadas que compõe esse governo e o séquito Sergio Moro na Lava Jato”.

Continuar lendo
Leitores On Line