Cinco delegados que pediram transferência após troca de titular da Deccor voltam atrás e devem permanecer na delegacia


Mudança na decisão ocorreu após reunião com Diretoria de Combate à Corrupção da Polícia Civil. Operação Stop Spooler da Polícia Civil
Reprodução/Polícia Civil
Os cinco delegados que haviam pedido para serem realocados após a mudança na titularidade da Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor) voltaram atrás na decisão. Após uma reunião com a Diretoria da área, nesta quarta-feira (16), os delegados Davi Rezende, Luiz Gonzaga, Magda D’Ávila, Maurício Passerini e Francisco Lipari devem continuar na Deccor.
Os delegados haviam assinado a solicitação de transferência para outra unidade na terça-feira (15), logo após o então titular da Deccor Rômulo Figueiredo de Matos ser retirado do cargo e passado a ser um adjunto da Delegacia, como os demais. No lugar dele, foi colocado o delegado Pedro Caires.
Procurado pela reportagem, o delegado Rômulo disse que prefere não dar declarações sobre o caso. O G1 apurou que ele deve entrar de férias, que estão acumuladas, nos próximos dias.
A reportagem também procurou a Polícia Civil e pediu uma posição sobre essa nova mudança nos pedidos dos delegados e aguarda retorno. Em posicionamento anterior, a corporação havia explicado que a troca de delegado titular é um ato corriqueiro e que todas as investigações da Deccor devem ser preservadas.
Delegacia Estadual de Combate à Corrupção Goiás
Polícia Civil/Divulgação
A saída de Rômulo da titularidade e o pedido de realocação dos delegados da Deccor aconteceram na mesma data em que foi deflagrada a Operação Stop Spooler, que investiga suspeita de R$ 26 milhões de superfaturamento e fraude em licitação.
A Delegacia foi criada em junho deste ano, a partir do Grupo Especial de Combate à Corrupção, que existe desde 2019. A unidade fica no Setor Aeroviário, em Goiânia.
Veja outras notícias da região no G1 Goiás.
Leitores On Line