No acumulado do ano, o dólar registra alta de mais de 30%. Além do cenário de incerteza econômica global provocado pela Covid-19, fatores como as contas públicas e a política de redução da taxa básica de juros (Selic) contribuíram para esse cenário de alta da moeda americana.

Na prática, o resultado mais imediato dessa valorização do dólar
é a alta dos preços de veículos importados e também dos nacionais, já que todos eles contam com algum percentual de componentes vindos do exterior.

Outro efeito é na mudança da estratégia de produtos por parte das montadoras. Sem conseguir fechar a conta para viabilizar um lançamento, produtos e tecnologias tiveram a sua chegada postergada ao mercado brasileiro até a melhora do cenário econômico. Confira alguns deles a seguir.

1 – Fiat 500 elétrico

Fiat 500 elétrico

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Divulgação

Fiat 500 elétrico: nova geração do modelo era para ter chegado agora ao Brasil, mas ficou para o ano que vem



Revelado em março deste ano na Europa, a variação elétrica do Fiat 500 de nova geração está prevista para chegar ao mercado brasileiro em 2021.

Mas a cotação do dólar é um dos fatores decisivos para a montadora fechar uma data exata para o lançamento do modelo por aqui. Ou seja: pode (ou não) atrasar.

2- Nissan Kicks híbrido

Nissan Kicks 2021

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Divulgação

Nissan Kicks 2021 também vai atrasar um pouco por causa da crise e do dólar nas alturas



A Nissan está no meio de um processo de processo de renovação de sua linha no Brasil, que além do sedã Versa de nova geração irá incluir também a primeira reestilização do SUV compacto Kicks e o lançamento do novo Sentra.

A expectativa era de que a repaginada no visual do SUV viesse acompanhada da tecnologia híbrida e-Power, lançada este ano na Ásia. Mas recentemente a Nissan afirmou que o projeto irá atrasar, impactado, entre outros motivos, pela alta do dólar.

3 – Jeep Renegade híbrido

Jeep Renegade híbrido

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Divulgação

Jeep Renegade híbrido é outro modelo, que junto com o Compass vai desembarcar no Brasil em 2021



Em uma entrevista para o site Automotive Business em abril, Antônio Filosa, presidente da Fiat Chrysler para a América Latina, confirmou que além do Fiat 500 elétrico, estão nos planos da empresa também os Jeep Renegade
e Compass híbridos.

Mas assim como o pequeno elétrico da Fiat, os dois SUVs híbridos também dependem de uma cotação favorável do dólar para que a empresa decida uma data para a chegada deles por aqui.

4- RAM 1500

RAM 1500

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Divulgação

RAM 1500 chegou a ser confirmada no Brasil, mas com o dólar alto ficaria com preço fora do considerado ideal para o Brasil



Prometido em 2019 para o Brasil, a picape RAM 1500 iria competir no mesmo segmento de modelos consolidados como Chevrolet S10 e Ford Ranger, oferecendo a vantagem de dispensar a CNH “C” da irmã maior RAM 2500.

Mas a alta do dólar afetou os planos da Fiat Chrysler de lançar o modelo por aqui. E a chegada ao mercado, que deveria acontecer em setembro, agora está suspensa sem um novo prazo.

5 – VW Golf 8

VW Golf

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Divulgação

VW Golf deve vir ao Brasil, menos menos nas versões GTI e GTE, mas espera uma situação econômica mais favorável



Apresentada na Europa no ano passado, a oitava geração do VW Golf
trouxe como principal novidade as tecnologias até então inéditas para o modelo médio, como o sistema de direção semiautônomo.

Já por aqui, apesar de ter tido o desenho registrado pelo INPI no início do ano, a retração no mercado brasileiros de hatches compacto (além da alta do dólar
) faz com que a chegada do novo Golf seja uma incógnita.

    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}