Ciclista que ajudou vaca em trabalho de parto comemora nascimento de bezerro: ‘Atitude que valeu a pena’


Cena inusitada aconteceu na manhã de terça-feira (15), em São José do Rio Preto (SP). Empresária ajudou vaca em trabalho de parto em Rio Preto
Reprodução/Facebook
Uma das ciclistas que ajudaram uma vaca em trabalho de parto falou sobre a inusitada experiência que vivenciou.
A empresária Sandra Noeli Zoiolo da Silva pedalava com um grupo de amigos quando viu a vaca deitada em uma área de pasto na manhã de terça-feira (15), em São José do Rio Preto (SP).
Um vídeo publicado nas redes sociais mostra o momento em que ela e outro ciclista ajudam a puxar o bezerro. (veja abaixo)
Ciclistas auxiliam em parto de vaca no interior de SP
“Parecia que ela estava sem conseguir se mexer. Decidi, então, parar, joguei minha bike no chão e pulei a cerca. Me aproximei e vi as quatro patinhas do bezerro para fora”, conta.
Sem hesitar, a empresária começou a puxar o animal com as próprias mãos e chamou outros ciclistas para ajudá-la. Um amigo se aproximou e começou a auxiliar no parto.
Ciclistas ajudaram em parto de vaca em Rio Preto
Reprodução/Facebook
No vídeo é possível ver o momento em que os dois conseguem puxar o bezerro e comemoram ao ver que os animais estavam bem.
“Nunca tinha feito isso, não tenho experiência. Senti que tive uma atitude que valeu a pena. Me sinto muito feliz em poder ajudar. A vaca levantou e começou a lamber o filhote. Quero voltar lá para vê-los novamente”, afirma.
Parto
Ao G1, Halim Atique, que atua como o médico veterinário e professor de reprodução animal e obstetrícia de uma faculdade particular do interior do São Paulo, afirmou que as vacas normalmente parem deitadas ou em pé.
“Às vezes achamos que o animal está com algum problema, mas não é verdade. Pelo que vi no vídeo, o parto transcorreria normalmente, mas ele foi auxiliado pelos ciclistas. A força empregada no parto é aquela, no máximo duas pessoas puxando.”
Bezerro foi retirado por ciclistas em Rio Preto
Reprodução/Facebook
Halim Atique também explicou que, ao analisar as imagens, conseguiu notar que o bezerro estava pronto para o parto.
“Quando o bezerro saiu, o cordão umbilical estava rompido. Os anexos fetais, que são as membranas que cobrem o feto, já estavam rompidos. Se eles não tivessem rompidos, o bezerro seria asfixiado.”
Veja mais notícias da região em G1 Rio Preto e Araçatuba
Leitores On Line