Casos de violência contra a mulher diminuem no PI; delegada acredita em subnotificação na pandemia


De acordo com a delegada Eugênia Villa, superintendente de gestão de risco da Secretaria de Segurança Pública do estado, o isolamento social pode ter contribuído para redução de denúncias. Mulher vítima de violência doméstica durante pandemia de coronavírus
Reprodução TV Globo
O Piauí registrou uma redução nos casos de violência contra a mulher no primeiro semestre de 2020, em relação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI), divulgados pelo Monitor da Violência. Contudo, a delegada Eugênia Villa, superintendente de gestão de risco da SSP, o isolamento social devido à pandemia pode ter reduzido as denúncias durante a pandemia.
O Monitor da Violência é um projeto em parceria entre o G1, o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
“Enquanto ela [a mulher] está no cativeiro permanece sob controle em um cenário de extrema violência, pois não consegue sair de casa nem para ir até uma delegacia. A gente tem que avaliar esse isolamento social em que nós mulheres ficamos com medo de sair de casa e de contrair o coronavírus. Fomos forçadas a conviver com o inimigo e o risco só começa quando a mulher sai do controle do homem”, explicou.
Veja serviços afetados pelo coronavírus no Piauí
O que fazer e para onde ir em caso de aparecimento dos sintomas
Acompanhe a evolução da curva epidêmica no estado
Feminicídios
O Piauí registrou queda de 38% no número de feminicídios no primeiro semestre de 2020, de acordo com o Monitor da Violência. Segundo o levantamento, foram registradas 16 mortes de mulheres por condição de gênero ou violência doméstica no mesmo período de 2019, enquanto na primeira metade de 2020 foram registrados 10 casos.
Em comparação com outros estados do nordeste, o Piauí foi o que registrou a maior redução no número de feminicídios, seguido do Rio Grande do Norte, que teve uma redução de 29% e Paraíba, com 12%.
O caso mais recente foi de Miriam Silva de Santana, que foi morta com golpes de faca, pelo companheiro, na frente da própria filha no dia 8 de setembro. Na ocasião, o companheiro de Miriam foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia de Bom Jesus.
Miriam Silva de Santana foi morta a facadas na frente da filha em Bom Jesus, Sul do Piauí
Reprodução/Redes sociais
Homicídios dolosos contra mulheres
O estado também teve uma redução 4% no número total de homicídios dolosos de mulheres (onde há intenção de matar), no primeiro semestre de 2020. Nos primeiros seis meses desse ano, 22 mulheres foram assassinadas, enquanto no mesmo período do ano passado, 23 mulheres perderam as suas vidas. Os casos incluem os feminicídios.
Lesão corporal dolosa em decorrência de violência doméstica
O Piauí foi o estado com a maior queda de registros de lesões corporais sofridas por mulheres. Na primeira metade de 2019, 1067 foram vítimas de violência doméstica, enquanto no mesmo período desse ano, foram realizadas 672 denúncias, uma queda de 37%.
Estupro consumado
O estado também teve uma redução no número de estupros, quando em comparação com a primeira metade do ano passado. 92 mulheres foram estupradas na primeira metade de 2019, enquanto no primeiro semestre de 2020, foram registrados 57 casos nos canais de denúncia da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.
No Nordeste, o estado que teve a maior redução de casos foi a Paraíba, que registrou 35 casos de estupro na primeira metade de 2020, contra 87 no mesmo período do ano passado, uma redução de 60%.
Estupro de vulnerável consumado
Dois casos de estupro de vulnerável foram registrados em Teresina no fim de semana
Getty Images
Os casos de estupro de vulnerável registrados também caíram no estado piauiense. Em 2019, foram registrados 260 casos nos canais de denúncia da Secretaria de Segurança Pública do Piauí, contra 214 nos primeiros seis meses de 2020, uma redução de 18%.
Casos recentes de estupro de vulnerável
No início desse mês, uma menina de 12 anos, grávida de sete meses, foi agredida por um homem de 25 anos, que é o principal suspeito de engravidá-la, em Teresina.
Segundo o conselheiro Jonathan Rocha, a menina morava com o homem, desde que a gravidez foi descoberta, em um quarto próximo da casa da avó. “Por mais que a menina tenha consentido com a relação, como ela tem apenas 12 anos, não deixa de ser um estupro de vulnerável”, explicou.
No dia 22 de agosto, uma menina de onze anos foi estuprada por um familiar na Zona Leste de Teresina. O homem foi preso e encaminhado para a Central de Flagrantes.
No mesmo dia, uma menina de 10 anos foi estuprada em uma festa em que estava com a família. Na ocasião, um homem foi preso suspeito de praticar o crime.
Decretos determinam distanciamento social
Para evitar a contaminação pelo vírus, o isolamento social e medidas emergenciais foram determinadas por meio de decretos do governo do estado e das prefeituras, como na capital piauiense, para que a população fique em casa e evite ao máximo ir às ruas. Aulas em escolas e universidades, a maioria das atividades comerciais, esportivas e de serviços em geral estão suspensas por tempo indeterminado.
Serviços essenciais como farmácias, postos de combustíveis e supermercados continuam mantidos mas estão regulamentados. O atendimento em clínicas, hospitais e laboratórios, assim como o funcionamento de escritórios de advocacia e contábeis também foram liberados mediante cumprimento de regras.
O uso de máscaras em locais públicos tornou-se obrigatório em todo o estado. Policiais fazem abordagens nas fronteiras do estado a ônibus e veículos particulares. Os decretos preveem que quem descumprir as regras pode ser penalizado com multa ou até prisão.
Prevenção, contágio e sintomas
Lavar as mãos de forma correta (veja vídeo), uso de álcool em gel, sempre usar máscaras, evitar contato pessoal e aglomerações de pessoas são algumas das orientações para evitar o contágio da doença.
Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia da Covid-19
É importante também ficar atento quanto aos principais sintomas (tosse seca, congestão nasal, dores no corpo, diarreia, inflamação na garganta e, nos casos mais graves, febre acima de 37° C e dificuldade para respirar). Um guia ilustrado preparado pelo G1 ajuda a tirar dúvidas.
Initial plugin text
Leitores On Line