Carlos Decotelli é o ministro que menos tempo ficou à frente do MEC

Carlos Alberto Decotelli foi ministro da Educação por apenas 5 dias. Foi nomeado  em 25 de julho e pediu demissão nesta 3ª feira (30.jun.2020). Ninguém ficou tão pouco tempo à frente do Ministério da Educação. A estatística considera todos os ministros registrados na galeria da pasta.

Seu currículo foi alvo de controvérsia. As universidades de Rosario, na Argentina, e de Wüppertal, na Alemanha, negaram que ele tivesse títulos de doutor e pós-doutor, respectivamente, pelas instituições. Decotelli alterou o currículo.

A FGV (Fundação Getulio Vargas), que elogiou o trabalho e atuação de Decotelli em cursos ministrados na instituição, negou que ele tivesse sido professor efetivo por lá. Ele passou a protagonizar memes na internet. Na 2ª feira (29.jun.2020), disse que continuava ministro. Saiu no dia seguinte.

Ele não chegou a ter uma cerimônia de posse. A página com a galeria de ministros do MEC, usada pelo Poder360 neste levantamento, não tinha sequer incluído a data da saída do antecessor de Decotelli, Abraham Weintraub, até a noite desta 3ª feira (30.jun.2020).

Quem passou mais perto da brevidade de Decotelli à frente do MEC, de acordo com a galeria da pasta, foi José Pedro Ferreira da Costa. Ele foi ministro interino de 17 de junho a 24 de junho de 1960. Passou 7 dias à frente do ministério, durante o governo de Juscelino Kubistchek.

Em 3º lugar no ranking está Luís Antonio da Gama e Silva. Ele ficou 9 dias no cargo, de 6 de abril a 15 de abril de 1964. Era 1 período de instabilidade política. O mês de abril daquele ano fora aberto com o golpe militar que instaurou a ditadura que perdurou por 21 anos no Brasil.

O infográfico a seguir destaca os ministros que passaram menos de 1 mês no cargo:

Jair Bolsonaro já teve outros 2 ministros da Educação. Ricardo Vélez Rodríguez (98 dias no cargo) e Abraham Weintraub (437 dias).

A última pessoa que passou mais de 2 anos à frente da pasta foi o petista Aloízio Mercadante. Ele foi ministro durante o governo Dilma, de 24 de janeiro de 2012 a 2 de fevereiro de 2014 em sua 1ª passagem pelo MEC.

O Ministério da Educação foi criado em 1930, depois de Getúlio Vargas chegar ao poder. Inicialmente, a pasta era da Educação e da Saúde Pública.

É dessa época o ministro mais longevo. Gustavo Capanema assumiu em 23 de julho de 1934 e saiu em 30 de outubro de 1945. Ficou 4.117 dias no cargo. Deixou o posto quando caiu o Estado Novo de Getúlio.

Depois dele vem Paulo Renato Souza. Ele comandou a pasta de 1º de janeiro de 1995 até 1º de janeiro de 2003, durante todo o governo de Fernando Henrique Cardoso. O 3º da lista é Fernando Haddad, que ficou à frente do MEC de 29 de julho de 2005 até 24 de janeiro de 2012, nos governos petistas.

COM AGÊNCIAS