Carateca de SC viaja para treinamentos presenciais com a seleção brasileira

Desde o “estouro” da pandemia em todo o planeta, em 11 de março, será a primeira vez que a equipe da seleção brasileira de karatê vai ter treinos presenciais

Há praticamente seis meses treinando em casa e ministrando cursos de maneira remota, o carateca Douglas Brose se prepara para recomeçar os treinamentos presenciais com a equipe da seleção brasileira de karatê.

Atleta é referência na modalidade brasileira e segue em preparação para as competições que serão retomadas somente em 2021 – Foto: Anderson Coelho/ND

Neste domingo (13), em Piracicaba (SP), acontece a apresentação dos atletas selecionáveis para o início dos primeiros treinamentos presenciais desde o início da pandemia.

“Estávamos ansiosos para esse momento. Serão três semanas de treinamentos. Cada um estava treinando do seu jeito, dentro de suas limitações. Eu, por exemplo, montei um espaço na minha casa e continuei treinando com a Lucélia, minha esposa e técnica, e o Vinícius, que passou um período comigo em Florianópolis”, revelou Douglas Brose.

Alguns protocolos terão que ser respeitados para que os treinamentos presenciais aconteçam sem maiores problemas. Todos os atletas só iniciarão os treinamentos após serem testados e o deslocamento será apenas do hotel para o local de treinamento.

“Temos que seguir tomando todas as precauções pois o problema ainda não foi solucionado. Acredito que não teremos maiores problemas e vamos conseguir realizar os treinamentos da melhor maneira possível”, destacou Brose.

Os treinamentos visam as competições de 2021, já que todo o calendário do karatê foi prorrogado para o próximo ano. Para Brose, o foco será no pré-olímpico que será realizado em julho.

“Meu maior objetivo é participar das Olimpíadas e para isso preciso buscar essa vaga no pré-olímpico. É o meu foco nesse momento e quero chegar na competição extremamente preparado para dar o meu melhor e conquistar essa vaga”, finalizou Douglas Brose, terceiro-sargento do Exército Brasileiro e que soma mais de 250 medalhas na carreira, entre elas, duas de ouro no mundial.

Leitores On Line