Candidatura de Pedroca é discutida em reunião no gabinete

Daniel dará apoio ao candidato que for escolhido pela votação do diretório do MDB de São João Batista. Essa teria sido a sinalização do prefeito Daniel Cândido (PSL), em reunião privada com o vice-prefeito Pedro Alfredo Ramos, o Pedroca (MDB), e o pré-candidato a vice na chapa emedebista, o vereador Almir Peixer, o Déio do […]

Daniel dará apoio ao candidato que for escolhido pela votação do diretório do MDB de São João Batista. Essa teria sido a sinalização do prefeito Daniel Cândido (PSL), em reunião privada com o vice-prefeito Pedro Alfredo Ramos, o Pedroca (MDB), e o pré-candidato a vice na chapa emedebista, o vereador Almir Peixer, o Déio do Gás (PSL).

Encontro a portas fechadas aconteceu na manhã desta quarta-feira (22), no gabinete da Prefeitura, com mais de duas horas de duração. Foi a primeira vez que Pedroca conversou abertamente com o prefeito batistense sobre sua pré-candidatura, e vem após especulações de possível rompimento na aliança governista.

De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, a conversa foi amistosa, mas não houve uma declaração de apoio explícita de Daniel. Aderência está condicionada a decisão do diretório, que terá que votar se aceita ou não o vice-prefeito como candidato. Resultado da votação interna levanta dúvidas e já houve inclusive ameaça de intervenção no caso de uma derrota.

Partido vem lidando com disputas internas desde meados do ano passado, quando vazaram áudios de Pedroca, e o vereador Leoncio Cypriani passou a criticar abertamente a composição da chapa.

Agravamento da crise no início do ano, levou a saída de Cypriani do partido, e uma reorganização das forças internas. No último ato, o vereador Éder Vargas renunciou a vice-presidência do partido e também engrossou o coro contra Pedroca.

Saída da vereadora Rúbia Tamanini (PSL) do posto de pré-candidata a vice, ajudou engrossar ainda mais o caldo. Déio do Gás se manifestou na tribuna da Câmara que queria a vaga, sem antes ter conversado com os colegas, o que gerou constrangimentos.

Desde o fim da eleição de 2016, Daniel Cândido tem manifestado publicamente compromisso em apoiar o candidato do MDB. Apesar disso, um ala emedebista questiona o fato do prefeito ter cedido espaço para o vice assumir a prefeitura apenas uma vez, e por 30 dias. Há desconforto ainda pela Administração não fazer associações das ações do Governo com o vice, o que serviria de plataforma eleitoral.

Novo líder do MDB, o vereador Juliano Peixer, afirmou em entrevista à Rádio Clube, que o partido está pronto, inclusive, para disputar a eleição com chapa pura, no caso de um rompimento da coligação com o PSD e PSL. “Eu acho que já não existe mais coligação, pela atitude das pessoas que estão envolvidas. Quando tu vê o líder do governo atacar o vice-prefeito, que é o candidato da coligação […], já se sabe que não tem mais coligação”, afirma

Com Agências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.