Brasileiros registram pela primeira vez a formação de ‘micro-trombose’ em pacientes graves de Covid-19


Cientistas identificaram a formação de trombos em pacientes diagnosticados com a doença; coagulação é uma das resposta do sistema imunológico contra o ataque do novo coronavírus. Pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto registram pela primeira vez a formação de trombose micro-vascular em pacientes com Covid-19

Pesquisadores de Ribeirão Preto registraram pela primeira vez os efeitos da Covid-19 no sistema circulatório. Um estudo publicado como prévia (pré-print) identificou a formação de coágulos microscópicos em pacientes mais graves da doença.
Segundo o artigo, de treze pacientes hospitalizados, onze apresentaram a formação de micro-trombos – que impedem a circulação – nos pequenos vasos localizados embaixo da língua.
Excesso de coagulação agrava casos de coronavírus e pode levar à morte
Brasileira é destaque por experiência com anticoagulante no tratamento da Covid
A coagulação excessiva é causada pela resposta que o corpo dá à infecção pelo coronavírus e a presença trombos foi encontrada na autópsia de diversos pacientes mortos pela infecção causada pelo coronavírus Sars-Cov-2.
Essa foi a primeira vez que cientistas identificaram e conseguiram documentar os coágulos em pacientes vivos (veja o vídeo).
“Nossa investigação demonstrou trombos na micro-circulação desde a início da hospitalização”, escreveram os cientistas.”Esse achado reforça que a trombose micro-vascular é uma característica da Covid-19.”
Micro-circulação em um indivíduo saudável (fotos A e B); Paciente com Covid-19 com indicativo de micro-trombos (C, D e E); Micro-vaso com fluxo sanguíneo interrompido (F)
Reprodução/FMRP-USP
Resposta do sistema imunológico
Quando o corpo reage ao Sars-Cov-2, o sistema imunológico acaba criando coágulos que se espalham dentro das veias e artérias dos pacientes, inclusive no pulmão.
Assinado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, o artigo sugere que a trombose micro-vascular é sistêmica e pode afetar diferentes órgãos. Segundo os autores, os que têm maior capilaridade, como os pulmões, acabam mais comprometidos.
No pulmão, a trombose micro-vascular pulmonar pode levar a um efeito de ‘espaço morto’, disseram os cientistas. É quando há ventilação, mas não há oxigenação e acontece o que eles chamam de hipoxemia crítica, a falta de oxigênio no sangue.
Ainda segundo os pesquisadores, a trombose micro-vascular pode comprometer outras áreas como os rins, fígado e cérebro, e podem contribuir com a disfunção de múltiplos órgãos.
A pesquisa ainda é inicial e os cientistas explicaram que ainda é preciso mais investigações para entender melhor qual é o papel da trombose micro-vascular nos casos mais graves da doença.
O que causa os coágulos
O coronavírus provoca algumas reações no corpo da pessoa infectada – o “acionamento” do sistema imunológico é uma delas.
Mas em alguns casos a resposta corporal é muito forte. O mecanismo de defesa prevê a produção de uma espécie de proteína chamada interleucinas. A função delas é semelhante a uma “convocação” de glóbulos brancos para combater o coronavírus.
O problema é que alguns pacientes produzem interleucinas demais – cientistas usam a expressão ‘tempestade de interleucinas”. É esse excesso que causa coágulos no sangue.

Com Agências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.