Blumenau tem ruas vazias no 1º dia de novas restrições contra a Covid-19


Comércios, shoppings e academias ficarão fechados, hotéis não poderão receber hóspedes e visitas a pacientes de hospitais e casas geriátricas estão proibidas. Veja todas medidas. Ruas de Blumenau ficaram vazias no primeiro dia de novas medidas restritivas contra Covid-19

O primeiro dia de estabelecimentos fechados em Blumenau, no Vale do Itajaí, para frear o avanço do coronavírus impactou no movimento na cidade. As ruas do Centro, que nos últimos dias estavam cheias, ficaram vazias na manhã desta terça-feira (21).
O comércio de rua, os shoppings, restaurantes e as academias ficarão fechados por sete dias, após anúncio de novas restrições pela prefeitura na segunda-feira (20).
O prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt (Podemos) disse em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina nesta terça que o impacto das medidas deve ser avaliado e que, se houver condições, elas podem ser flexibilizadas ou prorrogadas por mais sete dias. Outros serviços também foram suspensos – veja a lista abaixo.
“Sei que impacta na economia, mexe com setores econômicos, é um grande desafio, mas a gente precisava frear a circulação de pessoas”, afirmou o prefeito de Blumenau.
Mercados abrirão todos os dias
Além do comércio e outros estabelecimentos, na segunda-feira (21) a prefeitura chegou a divulgar que os supermercados ficariam fechados aos domingos, mas voltou atrás. De acordo com a Procuradoria municipal, houve uma falha na divulgação. A medida era avaliada, mas não estava definida, e mesmo assim acabou sendo anunciada.
Com isso, segundo o decreto municipal publicado na segunda-feira (21), os mercados podem funcionar também aos domingos, mas com capacidade de 40% da lotação, assim como em outros dias da semana. Uma pessoa de cada família pode entrar no estabelecimento.
Blumenau está em uma das sete regiões em situação gravíssima por causa do novo coronavírus e tem 3,3 mil casos confirmados de Covid-19, incluindo 26 mortes, segundo o último boletim do governo estadual divulgado na noite de segunda. Em todo estado são 54,4 mil casos e 694 mortes pela doença.
Prefeitura de Blumenau fecha comércio para conter o coronavírus
O decreto permite atividades industriais, obras públicas e privadas, lojas de materiais de construção de segunda a sábado, e setores essenciais como farmácias, padarias, mercados, mercearias e conveniências (sem consumo no local), agropecuárias, bancos e postos de combustíveis, desde que as medidas sanitárias, como uso de máscaras e distanciamento entre clientes, sejam seguidas.
Covid-19: Blumenau anuncia fechamento de comércio de rua, shoppings, restaurantes e academias
Governo de SC anuncia medidas restritivas para 7 regiões em nível gravíssimo por causa da Covid-19
Outras medidas por sete dias
Comércio e shoppings foram fechados novamente por causa da pandemia em Blumenau
Maurício Cattani/NSC TV
Além do fechamento do comércio em geral, o isolamento compulsório de idosos e pessoas do grupo de risco foi prorrogado por mais sete dias, exceto para atividades essenciais como trabalhar, comprar alimentos ou medicamentos.
A entrada de novos hóspedes em hotéis e similares também está proibida por sete dias. As atividades de serviços públicos que não foram essenciais e que não puderem ser feitas remotamente também estão suspensas por sete dias, sejam municipais, estaduais ou federais.
Medidas por 14 dias
Por duas semanas, missas em igrejas ou qualquer templo não podem ser realizadas de segunda a sábado, com exceção para atendimento individual.
Ônibus não podem circular por 14 dias e depois, não podem ser usados por idosos em Blumenau, SC, por causa da pandemia
Divulgação/Prefeitura de Blumenau
O transporte coletivo municipal e intermunicipal também está suspenso na cidade e região por 14 dias desde segunda-feira (20). A prefeitura já havia suspendido o serviço na semana passada, mas o decreto estadual com restrições para sete regiões em situação gravíssima por causa da Covid-19, a suspensão acabou sendo estendida até 2 de agosto.
Mesmo assim, a suspensão foi reforçada em decreto municipal publicado na segunda. Haverá transporte para os profissionais da saúde.
O decreto municipal também veda a circulação de idosos nos ônibus da cidade após passados os 14 dias de suspensão – eles já estavam proibidos de usar os coletivos antes. A medida chegou a ser questionada na Justiça, mas voltou a valer. O transporte com veículos fretados também foi suspenso pela prefeitura por duas semanas.
Por tempo indeterminado
O decreto municipal proíbe também a visita a pessoas que estão em instituição de longa permanência e de pacientes em hospitais da cidade.
Aglomeração de pessoas em locais públicos ou privados, festas, shows e espetáculos estão proibidos. O consumo de bebidas alcoólicas no interior ou nos arredores de lojas de conveniência já estava e também continua proibido.
“Não dá para arriscar ações nas quais não tenhamos depois a mínima condição de poder dar o atendimento à população nos casos de coronavírus. Por isso a gente tomou uma decisão absolutamente técnica, voltada na proteção e no cuidado da vida do cidadão”, disse o prefeito.
No entanto, o fechamento do comércio não foi bem recebido pela Câmara de dirigentes Lojistas (CDL) de Blumenau, pois dizem estar seguindo todas as medidas sanitárias.
“A gente vem desde o início da pandemia trabalhando com o poder público em cima de várias ações e parece que o poder público colocou num caso e disse: ‘Olha, não valeu de nada””, reclamou Hélio Roncaglio, presidente da CDL.
Comércio e shoppings foram fechados novamente por causa da pandemia em Blumenau e ruas ficaram vazias
Maurício Cattani/NSC TV
Ocupação de leitos
Apesar dos impactos econômicos, quem vive os desafios na área da saúde defende que o mais importante agora é a precaução. A infectologista Sabrina Sabino reforça que o distanciamento social ainda é a melhor maneira de se preservar contra o coronavírus.
“Os nosso profissionais de saúde estão adoecendo dia após dia. Então é fato que neste momento, nos precisamos cumprir as medidas restritivas de uma forma efetiva, pois sabemos que quanto maior o distanciamento entre as pessoas, menor será o índice de contagio”, afirma a especialista.
Segundo o prefeito Mário Hildebrandt, entre os principais fatores para a decisão de fechar os estabelecimentos não essenciais é a alta taxa de ocupação nos leitos de UTIs na cidade.
“Blumenau não podia se furtar frente ao aumento na procura de UTIs, estamos em 97%, inclusive, na região, está em 107%, muito acima da capacidade, tem gente entubada, usando respirador numa sala improvisada que precisa de UTI efetiva, e nós não poderíamos permitir que com a velocidade do aumento de casos, isso continuasse replicando e colocássemos em risco a saúde e a vida da população”, disse.
Ele ainda mencionou na entrevista ao Bom Dia Santa Catarina a preocupação com as cidades vizinhas e também de outras regiões do estado que permitem mais atividades e pede que os prefeitos reavaliem a situação, pois a lotação de UTIs em uma região pode levar os pacientes a serem transferidos. O prefeito também reclamou da distribuição de equipamentos para UTIS para a região.
Segundo ele, os hospitais de Blumenau estão também com pacientes de outras das sete regiões em situação gravíssima. A cidade tem, além dos hospitais, oito ambulatórios e em todos há realização de testes rápidos.
Shoppings e ruas em Blumenau tiveram movimento intenso desde reabertura do comércio em abril
Os números da Covid-19 em Blumenau chamam a atenção desde que o comércio voltou a abrir as portas, em abril. Na ocasião, a cidade tinha 68 pacientes infectados. A reabertura durante a pandemia da Covid-19 ganhou repercussão após imagens mostrarem um shopping com aglomeração de pessoas.
Segundo a prefeitura, a fiscalização na cidade continua para orientar os moradores para o uso obrigatório de máscara, e para garantir que as demais regras do decreto sejam seguidas, como o distanciamento entre as pessoas.
O prefeito ainda reforçou a necessidade de as pessoas ficarem em casa, não visitar os familiares, especialmente os idosos, usar máscaras e higienizar sempre as mãos.
“O grande desafio é para que as pessoas, após quatro meses de luta e trabalho em todo estado, compreenderam que nossas atitudes não podem ser de relaxamento e sim de aumento dos cuidados, principalmente agora com aumento da ocupação em UTI”, disse o prefeito de Blumenau.

Com Agências

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line