Baixada Santista supera meta de desempenho para o Ensino Médio, segundo Ideb


As nove cidades da região conseguiram superar, em 2019, o desempenho esperado para 2021. Baixada Santista supera meta de desempenho para o Ensino Médio, segundo Ideb
Hedeson Alves/AEN
As cidades da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, conseguiram melhorar o desempenho dos estudantes do Ensino Médio e ainda superaram a meta estipulada para 2021. Os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019 foram divulgados, nesta terça-feira (15), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação.
O Ideb é o principal indicador da qualidade dos sistemas educacionais brasileiro. Ele é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e das médias de desempenho em Matemática e Português no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). O índice é divulgado a cada dois anos.
Na Baixada Santista, a grande maioria dos alunos de Ensino Médio estão matriculados em escolas estaduais. Apenas Cubatão conta com Ensino Médio na rede federal, mas essa nota não foi divulgada pelo Inep. Na tabela abaixo consta a evolução do Ensino Médio nas nove cidades da região, considerando apenas a rede estadual.
Evolução do Ensino Médio
O município de Santos alcançou a maior nota, chegando a 4.8 e superando em 0.6 a meta para 2019 e em 0.4 a meta para 2021. A cidade que teve a maior evolução em relação à 2017 foi Mongaguá, que melhorou em 27% o desempenho. Com nota 4.2, superou em 0.7 a meta de 2019 e em 0.4 a meta para 2021. Já os municípios com menores evoluções foram Peruíbe e Itanhaém.
O subsecretário de Articulação Regional da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Henrique Pimentel Filho, garante que os dados de desempenho dos Ensino Médio das escolas estaduais são muito positivos. De acordo com ele, o governo estadual fez grande esforço no ano passado para os alunos participassem do Ideb.
“Esse movimento foi muito importante para termos esse diagnóstico de desempenho, que revela que estamos no caminho certo. Parte dessa evolução ocorreu graças às escolas de tempo integral, que têm sido implantadas na rede estadual. O programa não consiste apenas em ficar mais tempo na escola, mas desenvolver atividades diferentes neste período, que gerem o protagonismo juvenil e auxiliem no uso das tecnologias”.
O subsecretário ainda explica que outra novidade importante, que auxiliou na melhoria dos indicadores, foi a implementação de programas de reforço e recuperação em escolas da Baixada Santista. “Conseguimos fazer muitas coisas bacanas com um bom trabalho de gestão escolar, diálogo com a comunidade e vínculos com os estudantes. Temos que comemorar os resultados”.
Agora, a Secretaria de Educação continua trabalhando para manter a consistência desse avanço, o que pode ser um desafio devido à suspensão das atividades presenciais durante a pandemia do novo coronavírus. Para o subsecretário, o ensino remoto está dando certo, mas o apoio do professor em sala de aula faz falta em alguns casos.
“Em 2021, queremos continuar ampliando as escolas de tempo integral. Mas, agora, nosso foco principal é estruturar programas de apoio aos estudantes após a pandemia. Em Santos, felizmente, esperamos conseguir retomar as atividades presenciais de reforço e recuperação já na próxima semana. Mas, não será obrigatório e ninguém será prejudicado”.
Sala de aula do ensino fundamental
João Bittar/Divulgação/ MEC
Ensino Fundamental
Todas as cidades apresentaram evolução nos anos finais do Ensino Fundamental. Porém, na rede municipal, as escolas não conseguiram bater a meta de desempenho para 2019. Na rede estadual, apenas Cubatão conseguiu superar a meta, alcançando nota de 5.5.
Nos anos finais da rede municipal, a cidade que registrou a maior evolução foi Peruíbe, passando de uma nota 4.3 para 5. Já na rede estadual, a que teve melhor evolução de desempenho foi Cubatão, passando de 4.6 para 5.5.
Leitores On Line