Auxílio emergencial extra permitirá pouso suave, diz Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, acredita que com as duas parcelas extras de R$ 600 do auxílio emergencial, anunciadas na 3ª feira (30.jun.2020), seja possível fazer uma aterrissagem perfeita do atual sistema para o programa Renda Brasil, que é o nome provisório do futuro programa que vai aglutinar todos benefícios federais.

Guedes sugeriu ao presidente Jair Bolsonaro que prorrogasse o auxílio emergencial no valor total de mais duas parcelas de R$ 600 (além das 3 que já foram pagas). O benefício, chamado por alguns dentro do governo de “coronavoucher”, foi criado para mitigar o efeito da pandemia entre os brasileiros mais carentes. Pouco mais de 60 milhões de pessoas receberam.

Havia 1 temor dentro do governo: como interromper esse pagamento de maneira que o impacto não fosse devastador para a parcela da sociedade que ficou sem renda por causa do longo período de distanciamento social? Guedes então decidiu usar as parcelas extras do benefício para fazer uma escala decrescente até ser possível a transição para o Renda Brasil.

O problema é que a lei só permitia a prorrogação do auxílio se fosse mantido o valor de R$ 600 por mês. Mesmo que fossem pagas mais 3 ou 4 parcelas de R$ 600, seria 1 baque para os beneficiários pararem de receber de 1 mês para o outro, pois o Renda Brasil terá possivelmente pagamentos na faixa de R$ 200 a R$ 300.

A ideia então é fazer os pagamentos das duas parcelas de R$ 600 da seguinte forma:

  • R$ 500 no início do 1º mês;
  • R$ 100 no fim do 1º mês;
  • R$ 300 no início do 2º mês;
  • R$ 300 no fim do 2º mês;
  • Total = R$ 1.200 (em 2 meses).

Guedes tem dito que esses pagamentos serão suficientes para atravessar 3 meses.

Paulo Guedes – Com R$ 500 no início do 1º mês você viveu 1 mês.

Sim, mas do ponto de vista estritamente cronológico, os R$ 1.200 serão pagos em 2 meses, certo?

Sim. Como requer a lei. Mas com R$ 100 no último dia e R$ 300 no primeiro dia [do 2º mês], você viveu o 2º mês com R$ 400.

Observe que com duas de R$ 600 você só cobre 2 meses que seriam pagos no dia 1º [de cada mês].

Com o mesmo gasto, cobrimos 3 meses em vez de 2. E vamos reduzindo os pagamentos devagar.

E aí entra o Renda Brasil [novo programa social que vai unificar todos os benefícios federais]?

Exato. Temos 3 meses de tempo para aterrissarmos suavemente. Em vez de 2 meses e 1 desabamento de R$ 600 para R$ 200 (ou para o valor que for o novo benefício do Renda Brasil; estamos pensando num valor entre R$ 200 e R$ 300). Será uma aterrissagem perfeita, em vez de 1 pouso abrupto.

COM AGÊNCIAS