Aumento no preço de itens básicos e combustíveis assusta consumidores do Alto Tietê


IPCA, índice que mede a inflação no país, subiu pelo terceiro mês seguido. Aumento no preço dos combustíveis e itens básicos assusta consumidor
O aumento nos preços dos combustíveis e itens básicos da alimentação tem assustado o consumidor. Essa alta fez com que o Índice de Preços para o Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação no país, também subisse pelo terceiro mês seguido.
Na hora de fazer as compras, a pesquisa pelo valor mais baixo continua. No entanto, mesmo procurando, os preços preocupam os moradores do Alto Tietê. “Assustei. Quase caí de costas. Está um absurdo, pelo amor de Deus”, comenta o aposentado Domingo Antonio Pradenas.
A refeição do brasileiro ficou mais cara. O arroz, indispensável nas refeições diárias, já acumula alta de 19,25% no ano. O feijão preto chega a quase 30%. O leite também subiu chegando aos 23%. O óleo de soja também ficou 18,63% mais caro.
No setor de hortifruti, a manga foi o item que teve mais alta acumulada no ano: 61,63%. Depois vem a cebola com 50,40% e a abobrinha que também ficou mais salgada para levar para casa.
Toda essa alta nos preços dos alimentos e de outros produtos e serviços é apresentada pelo IPCA, que é considerado um termômetro da inflação no país. Esse número subiu 0,24% em agosto, mesmo sendo menor do que em julho, é o terceiro avanço seguido, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Produtos da cesta básica ficaram mais caros nos supermercados do Alto Tietê
Reprodução/TV Diário
O Procon de Suzano tem acompanhado o recente aumento dos itens da cesta básica e diz que está atento a possíveis abusos nos valores, como explica Daniela Itice, diretora do órgão.
“O Procon, é importante lembrar, que ele não é um órgão controlador de preço. Mas a gente atua, fortemente, na questão de abusividade, que configura crime contra popular. Em razão disso a gente precisa saber da onde vem esse aumento, por quanto o fornecedor está comprando o produto e onde está a margem de lucro dele. Com a apresentação das notas a gente consegue fazer o cálculo”.
O que também tem pesado no bolso dos consumidores é a gasolina, que sofreu aumento pelo terceiro mês consecutivo. Nos combustíveis foi a que teve a maior alta: 3,22% em agosto. No mesmo mês o diesel subiu 2,49% e o etanol avançou 1,29%.
A professora Raymi Carolina Costa de Faria foi abastecer o carro, mas sabe que vai ter que economizar na gasolina. A alta no preço dos produtos e serviços já afeta a rotina da família.
“A gente está até segurando um pouquinho o carro dentro de casa, caminhando mais, para poder economizar na gasolina. Infelizmente a gente precisa se alimentar. A gasolina a gente tem que dar uma segurada mesmo porque a alimentação vem em primeiro lugar”, comenta.
O consumidor que perceber que algum estabelecimento está praticando preço abusivo pode acionar o Procon. Em Suzano, o serviço atende pelos telefones 4744-7322 e 4744-7461. Em Mogi das Cruzes o telefone é 4798-5090.
Leitores On Line