Após morte de jovem, entidades criticam Doria e fazem cobrança por audiência sobre violência

Após a morte de Rogério Ferreira Jr., baleado em abordagem de policiais militares na zona sul de São Paulo, organizações negras, movimentos sociais e entidades de direitos humanos voltaram a pedir uma audiência com o governador João Doria (PSDB) para discutir os casos de violência policial no Estado. A primeira solicitação havia sido feita em junho.

“O número de pessoas mortas por policiais militares no estado de São Paulo cresceu 21% no primeiro semestre e o governador de São Paulo, recentemente teve nas mãos a oportunidade de se comprometer com uma política de segurança menos contaminada pelo racismo e pela truculência que dele decorre”, escreveu o movimento, em nota.

Entidades pedem audiência com o governador João Doria (PSDB)
Governo do Estado de São Paulo

“Ao invés de receber organizações de excelente reputação e membros da sociedade civil de grande relevância, tem preferido não receber o grupo, deixando de priorizar um tema tão urgente e grave como é o da violência de Estado. O resultado recente foi a execução de Rogério Ferreira da Silva Jr, aos 19 anos”, continuou.

Participam da mobilização: 342Artes, Associação Brasileira de Imprensa, Centro de Direitos Humanos e Educação Popular do Campo Limpo, Comissão Arns, Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP, Conectas Direitos Humanos, Educafro – Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes, Gastronomia Periférica, Grupo Prerrogativas, Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas, Instituto Alana, Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, Instituto de Defesa do Direito de Defesa, Instituto Sou da Paz, Instituto Vladimir Herzog, Midrash Centro Cultural, Movimento Independente Mães de Maio, Núcleo de Estudos da Violência – NEV/USP, Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio e Uneafro.

Em nota, a secretaria de Comunicação da gestão Doria disse que o governador “convocou o Vice-Governador e quatro secretários para atender as entidades, pois a sua agenda está dedicada ao combate à pandemia do coronavírus”.

“Contudo, elas se recusaram a tratar o assunto com os membros do primeiro escalão do Governo. A reunião estava agendada para o dia 28 de julho, às 19h, no Palácio dos Bandeirantes, com o Vice-Governador e Secretário de Governo, Rodrigo Garcia; o Chefe de Gabinete Secretário Particular, Wilson Pedroso; o Secretário da Segurança Pública, General João Camilo Pires de Campos; o Secretário da Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Mascaretti; a Secretária de Desenvolvimento Social, Célia Parnes; e o Ouvidor das Polícias, Elizeu Soares Lopes”, completou.

Leitores On Line