Após médicos recusarem retomar perícias no INSS, representante diz que agências são ‘fracasso de administração pública’

INSS havia anunciado retomada de perícias médicas para segunda-feira, mas Luiz Carlos Argolo, presidente da ANMP, diz que seria irresponsável retomar atendimentos em agências inadequadas. ‘Completo fracasso da administração’ diz Luiz Carlos Argolo sobre agências do INSS
Em entrevista à GloboNews, o presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP), Luiz Carlos Argolo, chamou de “fracasso de administração pública” a situação das agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na reabertura dos atendimentos.
Perícias seguem suspensas nas agências do INSS pelo menos até quarta-feira
Segurados têm dificuldade para acessar canais de atendimento do INSS
Remarcação de perícia será automática para quem já tinha agendado data, diz INSS
O INSS anunciou a retomada gradual dos atendimentos presenciais nas agêncais do INSS para segunda-feira (14), incluindo das perícias médicas. A ANMP, no entanto, recusou a retomada dos atendimentos, até que sejam realizadas inspeções que comprovem a adequação dos consultórios das agências para o atendimento ao público. Com isso, as perícias voltaram a ser suspensas, pelo menos até quarta-feira (16).
Argolo justificou a negativa de retomada dos serviços afirmando que a inadequação das agências da previdência é real e antiga, mas que foram agravadas pela crise sanitária da pandemia do novo coronavírus. Os seis meses de paralisação, diz ele, deveriam ter sido aproveitadas para fazer os reparos.
Retomada de atendimento presencial do INSS tem filas e reclamações pelo país
Médicos não retornam, e perícias agendadas no INSS são suspensas
Atendimento presencial do INSS: entenda os serviços disponíveis, como ser atendido e documentos necessários
Entre os principais problemas, segundo ele, estão a falta de climatização ou completa ausência de ar-condicionado nas unidades, que contribuiriam para disseminação da Covid-19. Há também, segundo o relato de Argolo, falta de equipamentos de proteção individual (EPIs), estetoscópios e abaixadores de língua.
“As agências estão sem vigilância adequada, pessoal de limpeza sem contratos para suprir a necessidade em um momento desse, de pandemia, que se faz necessário”, afirma.
“Seríamos irresponsáveis em subscrever e dar aptidão a uma agência inadequada. Não estamos criando resistência”, diz Argolo.
Segundo o ANMP, na sexta-feira, havia 12 das 1.525 agências do INSS com todos os padrões de adequação, “inexpressivas diante do passivo de necessidade do Brasil”. Mesmo nessas agências, no entanto, não houve a realização de perícias médicas.
“As gerências executivas e superintendências se detiveram apenas na compra de EPIs para a pandemia, mas tinha um passivo de problemas a resolver. O presidente está nas TVs se perdoando, mas são os operacionais que compraram máscara vencida em 2012”, afirma Argolo.
Ainda segundo o presidente da entidade, a associação tem flexibilizado itens que pudessem “embaraçar, mas não prejudicar” o atendimento, mas pede que o governo resolva a lista de itens inadequados para que a categoria faça nova vistoria e libere os atendimentos. Ele não falou em prazos para que isso aconteça.
O INSS diz que as perícias médicas para os segurados vão continuar suspensas, em todo o país, pelo menos até quarta-feira (16).
“É importante salientar que, entre hoje e a próxima quarta-feira (16/09), o INSS e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, que representa a PMF (Perícia Médica Federal), farão as inspeções nas salas de perícia médica, a fim de viabilizar o retorno das atividades periciais o mais breve possível”, informou, em nota, o instituto.
Assista a trechos da entrevista à GloboNews
Leitores On Line