Agronegócio e ONGs ambientais apresentam ações para reduzir o desmatamento na Amazônia Legal


Representantes do setor financeiro, da sociedade civil e da academia também assinam documento, publicado na terça (15), com 6 medidas para diminuir, em curto prazo, a retirada de vegetação da região; texto foi assinado por 230 entidades. Na foto, trecho queimado da Amazônia é visto próximo a Apuí, no Amazonas, no dia 11 de agosto.
Ueslei Marcelino/Reuters
Em um documento publicado na terça-feira (15), 230 representantes do agronegócio, de ONGs ambientais, do setor financeiro, da sociedade civil e da academia listam medidas para reduzir, de forma rápida, o desmatamento na Amazônia Legal.
Os autores listam 6 ações para frear a retirada da vegetação:
Retomar e intensificar a fiscalização, com responsabilização dos infratores;
Suspender registros do Cadastro Ambiental Rural (CAR) que estejam em florestas públicas, com responsabilização por desmatamentos ilegais;
Destinar 10 milhões de hectares (100.000km²) à proteção e ao uso sustentável;
Conceder financiamentos sob critérios socioambientais;
Obter transparência, junto aos os órgãos de meio ambiente estaduais, nos dados sobre autorização de supressão de vegetação;
Suspender os processos de regularização fundiária de imóveis com desmatamento após julho de 2008.
O texto é assinado Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, que reúne entidades e empresas como a WWF Brasil, a Unilever, a Youth Climate Leaders e associações do agronegócio.
Em agosto, a Amazônia Legal registrou, segundo dados de satélite do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), uma área de 1.359 km² sob alerta de desmatamento em agosto. É o segundo maior número para o mês nos últimos cinco anos, de acordo com o levantamento histórico dos satélites, que são de responsabilidade do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao Ministério da Ciência e da Tecnologia (MCTIC).
Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgados na terça (15), os alertas de desmatamento na Amazônia subiram 68% em agosto deste ano na comparação com o ano passado. O instituto afirma que é o pior mês de agosto verificado nos últimos 10 anos de monitoramento.
NÚMEROS: Desmatamento e queimadas: entenda como os dados do Inpe podem indicar alta e queda nos percentuais
POLÊMICA: ‘Jamais faria isso’, diz coordenador de área do Inpe que monitora queimadas e desmatamento, após fala de Mourão
A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro, e engloba a área de 8 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão.
Agosto registra o pior índice de desmatamento na Floresta Amazônica dos últimos dez anos
Leitores On Line