Sobe o número de chamados relacionados a suicídio no Samu-DF


No 1º semestre de 2019 foram 792 ligações por tentativas e 219 por planejamento de suicídio. No mesmo período de 2018 houve 678 chamados para tentativas e 171 para planejamento. Ação durante Setembro Amarelo
Sesc Caruaru/Divulgação
O Núcleo de Saúde Mental (Nusam) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do Distrito Federal contabilizou mais atendimentos relacionados ao suicídio no primeiro semestre deste ano do que no mesmo período do ano passado. Veja números:
1º semestre de 2019
792 chamados para tentativas de suicídio
219 por ideação (planejamento) suicida
1º semestre de 2018
678 chamados para tentativas de suicídio
171 por planejamento
Segundo a gerente da Central de Informação Toxicológica e Atendimento Psicossocial do Samu, Carla Pelloso, o aumento no número de chamadas significa que as pessoas estão melhor orientadas para procurar ajuda.
“O assunto é mais divulgado e as entidades sabem o que fazer para ajudar quem está próximo a elas, e sabem como perceber o risco suicida.”
Veja as ações do Setembro Amarelo no DF
Núcleo de Saúde Mental
O Núcleo de Saúde Mental (Nusam) do Samu, no DF, é pioneiro no país. Ele foi criado em 2016 e trabalha com uma equipe multidisciplinar formada por psiquiatra, psicólogo, assistente social, enfermeiro e condutor socorrista.
O núcleo atende a demandas relacionadas a transtornos psicológicos, como depressão e surto psicótico, além dos casos de tentativa e ideação suicida.
Ao receber uma ligação solicitando apoio, a equipe define se o caso é para o Nusam. “Quando os profissionais chegam ao chamado, eles conversam com a família, verificam o contexto familiar, a situação pela qual passa a pessoa que precisa de atendimento para só então adotar a conduta necessária”, explica Carla Pelloso.
“A pessoa é acolhida, atendida, avaliada e a equipe decide a melhor conduta para aquele momento.”
Números de casos de suícidio crescem e conscientização sobre a temática é importante
Reprodução/TV Tribuna
A tentativa de suicídio é considerada uma emergência médica. A pessoa deve ser levada para os serviços da rede pública, como as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) ou o pronto-socorro dos hospitais, aponta a gerente do Samu.
“Quem presencia uma tentativa também pode acionar o Samu pelo telefone 192.”
Quais os sinais quando alguém pensa em suicídio?
A psicóloga e suicidologista Karina Okajima Fukumitsu acredita que o suicídio é o ápice do que ela chama de “processo de morrência”.
“A pessoa já está se sentindo desgostosa da vida, sem sentido, e vai definhando existencialmente.”
Para Karina, a pessoa emite sinais – comportamentais e verbais – que podem ajudar a identificar o risco. Em seus cursos, ela compilou, a partir de diversos estudos, quatro listas. Veja abaixo:
Comportamentos diretos
Tentativas de suicídio anteriores
Mudanças repentinas de comportamento
Ameaça de suicídio ou expressão/verbalização de intenso desejo de morrer
Ter um planejamento para o suicídio
Sinais observáveis de depressão
Oscilação de humor
Pessimismo
Desesperança
Desespero
Desamparo
Ansiedade, dor psíquica, estresse acentuado
Problemas associados ao sono (excessivo ou insônia)
Intensa raiva
Desejo de vingança
Sensação de estar preso e sem saída
Isolamento: família, amigos, eventos sociais
Mudanças dramáticas de humor
Falta de sentido para viver
Aumento do uso de álcool e/ou outras drogas
Impulsividade e interesse por situações de riscos
O Templo da Boa Vontade foi iluminado com a cor amarela em apoio à campanha de prevenção ao suicídio.
Legião da Boa Vontade/Divulgação
Comportamentos indiretos
Desfazer-se de objetos importantes
Conclusão de assuntos pendentes
Fazer um testamento
Despedir-se de parentes e amigos
Casos extremos de irritabilidade, culpa e choro
Fazer carteira de doação de órgãos
Comprar armas, estocar comprimidos
Fazer seguro de vida
Colocar coisas em ordem
Súbito interesse ou desinteresse em religião
Fechar a conta corrente
Verbalização direta
“Eu quero morrer.”
“Gostaria de estar morto.”
“Vou me matar.”
“Se isso acontecer novamente, prefiro estar morto.”
“A morte poderá resolver essa situação.”
“Se ele não me aceitar de volta, eu me matarei.”
“Quero sumir. Não aguento mais! Só morrendo mesmo para aguentar.”
Verbalização indireta
“Se isso acontecer novamente, acabarei com tudo.”
“Eu não consigo aguentar mais isso.”
“Você sentirá saudades quando eu partir.”
“Não estarei aqui quando você voltar.”
“Estou cansado da vida, não quero continuar.”
“Tudo ficará melhor depois da minha partida.”
“Não sou mais quem eu era.”
“Logo você não precisará mais se preocupar comigo.”
“Ninguém mais precisa de mim.”
“Eu sou mesmo um fracassado e inútil. Tudo seria melhor sem mim.”
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.
Source: http://g1.globo.com/dynamo/rss2.xml

Loading...