Mortes no trânsito caíram 14% entre o Natal de 2017 e o Carnaval de 2018, diz PRF

Em balanço apresentado nesta terça-feira (13), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que, entre os dias 22 de dezembro do ano passado e 18 de fevereiro deste ano, houve uma redução de 14% no número de mortes no trânsito em rodovias federais. O balanço é feito anualmente entre o período das festas de fim de ano e o Carnaval do ano seguinte.
Segundo a PRF, no período analisado, entre 2017 e 2018, ocorreram 913 mortes em rodovias federais. Já entre 2016 e 2017, o número de mortos chegou a 1.063.
De acordo com o balanço divulgado, também houve queda no número de feridos no trânsito, de 5,9% em relação ao ano anterior. Os dados mostram que, entre o Natal e o Carnaval, 13.722 pessoas tiveram ferimentos leves, e 2.930 sofreram lesões graves em acidentes nas rodovias federais.
A redução no número de feridos gerou uma economia de R$ 106 milhões, informou a PRF. Um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) mostra que os acidentes nesta edição da “Operação Rodovida”, como foi batizada, tiveram um custo de R$ 1,34 bilhões, contra R$ 1,45 bilhões no ano passado.
Outros números
Segundo a PRF, em alguns hospitais das regiões Norte e Nordeste, 70% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) são ocupados por vítimas de acidente de trânsito envolvendo motocicletas.
A PRF afirmou que o principal motivo de mortes no trânsito ainda é a colisão frontal e que o principal desafio da corporação é conscientizar principalmente motoristas de veículos pesados. Segundo o Diretor-Geral da PRF, Renato Dias, os acidentes envolvendo veículos como caminhões, por exemplo, são os que mais geram mortes no trânsito.
“A colisão frontal representa 2% dos acidentes, mas quase 30% no número de mortes. Nossa grande preocupação é conscientizar os condutores de veículos pesados (…). Porque quando ocorre um acidente de um caminhão com outro caminhão, ou com ônibus, automóvel ou motociclistas, enquanto para uma vítima fatal de caminhão são 35 mortos de outros veículos. Então a colisão frontal quando envolve veículo pesado ela impacta extremamente de forma negativa às estatísticas”, explicou o diretor.
Os dados da PRF mostram que 23% das mortes no trânsito nesse ano foram provocadas por colisões frontais e 14% por atropelamento de pedestres.
Durante a operação Rodovida, a Polícia Rodoviária Federal fiscalizou 418.196 veículos. 53.101 foram flagrados fazendo ultrapassagens indevidas, e 28.708 viajavam sem o cinto de segurança.
Source: http://g1.globo.com/dynamo/rss2.xml

Loading...