Em região remota, parentes deixam defuntos em casa para trazer sorte

Alguns povos possuem rituais um tanto esquisitos quando comparados aos nossos. O povo Toraja, que habita uma região montanhosa da Indonésia, é um deles. Anualmente, eles tiram um dia para cuidar visualmente dos mortos, lhes dão comida, cigarros e trocam as roupas. Tudo na mais absoluta normalidade. O fotógrafo Claudio Sieber registrou a mais recente edição do festival

ATENÇÃO: IMAGENS FORTES A SEGUIR

Cerca de 1 milhão de pessoas vivem na região, o que explica a grande quantidade de mortos

Segundo as crenças locais, a alma dos mortos permanece na casa onde eles viveram

Por isso, moradores locais utilizam técnicas para preservar o corpo mumificado o máximo possível

LEIA MAIS: Vovó de 100 anos ganha gogo boys de aniversário em asilo

Além de dar roupas e outros acessórios para preservar a beleza

A região é um tanto remota, principalmente na ilha de Sulawesi do Sul

O processo de conservação já começa no dia da morte

VEJA ISSO: Monstruosa! Mergulhador se depara com ‘serpente marinha’ gigantesca

Uma solução química chamada formalina é aplicada na carne dos defuntos

A mistura é formada por formaldeído e água

Como o cheiro é muito forte, todas as casas já possuem plantas fortes e secas perto dos corpos para manter o cheiro o mais ameno possível

VALE SEU CLIQUE: Artefatos de ‘homens-pássaro’ podem ser prova de visita alienígena

Segundo os costumes locais, um corpo bem preservado e apresentável é um sinal de sorte

Além de prosperidade para seus parentes e os cuidadores do cadáver

Em famílias mais ricas, o cadáver fica em uma “casa ancestral” na propriedade da família

VEJA MAIS: Caminhão de bombeiros pega fogo em posto de bombeiros

Em famílias mais pobres, enrolados em cobertores em um cômodo da casa

O fato é que os parentes adiam o funeral o máximo que podem

VAI PERDER?! Filhos encontram caixão da mãe em beco com esqueleto de cão dentro

Às vezes por anos ou até décadas

Os funerais também são caros, por estarem recheados de necessidades especiais

Custam até R$ 84 mil para famílias mais pobres e R$ 970 mil para os endinheirados, o que faz com que jovens saiam da cidade para arrumar dinheiro e nos últimos tempos os empréstimos bancários para funerais tenham explodido

NÃO VÁ EMBORA AINDA: Marombada ganha ‘peixe do fim do mundo’ e hoje é lenhador. Entenda!

Source: http://noticias.r7.com/feed.xml

Loading...