Cerca de 5.000 pessoas ainda estão desaparecidas na Indonésia

(Jewel SamadAFP)
(Athit PerawongmethaReuters)
(Jewel SamadAFP)
(Jewel SamadAFP)
(Jewel SamadAFP)
(Adek BerryAFP)
(Jewel SamadAFP)
(Antara FotoMuhammad AdimajaReuters)
(Hafidz Mubarak AAntara FotoReuters)
(Jewel SamadAFP)
(Basri MarzukiAntara FotoReuters)
(Akbar TadoAntara FotoReuters)
(Jewel SamadAFP)
(Muhammad RifkiAFP)
(BeawihartaReuters)
(Akbar TadoAntara FotoReuters)
(BeawihartaReuters)
(Antara FotoMuhammad AdimajaReuters)
(Antara FotoMuhammad AdimajaReuters)
(Antara FotoBasri MarzukiReuters)

Cerca de 5.000 pessoas ainda estão desaparecidas após o terremoto e tsunami que no dia 28 de setembro assolaram a ilha de Celebes, na Indonésia. As autoridades locais prorrogaram nesta quinta-feira (11) as buscas por vítimas a pedido dos familiares.

Segundo A Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigla em indonésio), as operações de resgate deveriam acabar hoje, mas serão estendidas até a noite de sexta-feira (12).

O saldo oficial de mortes chegou a 2.073, enquanto 2.549 pessoas ficaram feridas. As equipes de buscas não encontram ninguém vivo sob os escombros por mais de uma semana.

Por sua vez, o governador de Celebes Central, Longki Djanggola, disse aos jornalistas que o período de resposta a emergências será estendido até o dia 26 para reconstruir infraestruturas e atender aos mais de 82.000 deslocados.

Em Palu, no litoral oeste de Sulawesi, centenas de quilômetros a leste de Bali, sobreviventes aguardavam notícias junto aos escombros que sepultaram seus parentes enquanto trabalhadores e escavadeiras operavam.

“Não tenho mais lágrimas, só o que quero é encontrá-los”, disse Ahmad, agricultor de 43 anos que esperava junto a uma pilha de destroços que um dia foi sua casa no bairro de Balaroa. Sua esposa e suas duas filhas estão desaparecidas nas ruínas.

Balaroa e outros bairros de Palu foram devastados pela liquefação, que acontece quando um terremoto abala um terreno suave e úmido e o transforma em um líquido viscoso e turvo.

A terceira filha de Ahmad ficou gravemente ferida e foi levada à cidade de Makassar para receber tratamento. “Ela é tudo que me sobrou. Tudo que eu possuía, todo o resto, se foi”, disse.

As autoridades enterraram em valas comuns 969 mortos, enquanto 1.076 corpos foram entregues aos familiares das vítimas.

O presidente da Indonésia, Joko Widodo, disse durante a visita a um colégio islâmico em Jacarta que a distribuição de ajuda humanitária melhorou e que a maior parte do serviço de energia elétrica foi restabelecida, mas admitiu que ainda há deficiências.

Widodo afirmou que será necessário tempo para a vida voltar ao normal na região, destroçada pela magnitude do terremoto e do tsunami.

Novo tremor

Se ainda fosse necessário algum lembrete sobre a constante movimentação das placas tectônicas da Indonésia, ele veio na forma de um tremor de magnitude 6 no litoral das ilhas de Java e Bali na manhã desta quinta-feira, que matou três pessoas em Java, danificou edifícios e causou pânico.

Em mensagem em sua conta de Twitter, onde incluiu imagens de várias casas destruídas, o porta-voz da BNPB, Sutopo Purwo Nugroho, disse que as vítimas foram encontradas no distrito de Sumenep, no leste de Java.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos, que registra a atividade sísmica no mundo todo, situou o hipocentro a 10 quilômetros de profundidade sob o fundo do mar.

Encontros anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial acontecem nesta semana em Bali. Os mais de 19.000 delegados e outros convidados, incluindo ministros, chefes de bancos centrais e líderes de alguns países, foram surpreendidos pelo tremor.

(Com EFE e Reuters)


Source: http://feeds.feedburner.com/noticiasveja?format=xml

Loading...